Agressividade: como tratá-la?

Antes de pensarmos em tratar um caso de agressividade, devemos entender de onde ele vem.

É comum confundirmos os motivos da agressão ou pensarmos que ela acontece sem estímulo aparente. No entanto, se observarmos o ambiente onde o animal vive, além da sua rotina, perceberemos em quais situações e intensidade essa atitude se manifesta.

Posse

Normalmente, a agressão se dá pela guarda de recursos, como comida, brinquedo, cama ou até mesmo por uma pessoa. Nesses casos, precisamos mostrar ao cão que não há disputa pelo recurso, e que a nossa aproximação gera recompensas gostosas. A ideia é: quanto mais alguém se aproxima, mais recompensa ele ganha. Quanto mais a pessoa se afasta, menos.

Medo

Outra reação comum é ver o animal se tornar agressivo diante do veterinário ou no banho e tosa, sendo que em casa ele não apresenta esse comportamento.

Isso acontece devido ao medo. O cão, assim como nós, pode se sentir inseguro em situações inusitadas (ou naquelas em que ele já teve associações negativas como vacinas, corte de unhas e secador, por exemplo). Por isso, ele pode reagir com agressividade para tentar impedir tais situações.

Para eliminar esse comportamento, realize a dessensibilização com o apoio do reforço positivo e de forma gradativa. Mostre que aquela situação, apesar de não ser agradável, é passageira e pode gerar recompensas.

Outros animais

A agressividade também pode ser direcionada a outro animal. Nesses casos, entenda exatamente a situação que deixa o cão reativo e trabalhe esse ponto de forma gradual com ele.

A maioria dos cães se incomoda muito com outros animais desconhecidos em seu território ou até mesmo em passeios na rua. Para associar a aproximação dos dois a momentos bons devemos preferir cães calmos para o treinamento. Além disso, não se esqueça de escolher uma recompensa de alto valor e nunca colocar o outro indivíduo em perigo.

Em casos de agressão, a segurança dos cães e das pessoas envolvidas é primordial, então, sempre planeje o treino para que ninguém se machuque.

O uso de focinheira, com o treinamento prévio – e não forçado, é essencial para que o ambiente seja mais seguro e tranquilo.

Além disso, como esses casos podem ter consequências graves, o auxílio de um profissional capacitado é muito importante. Procure alguém de sua região que trabalhe com reforço positivo. Com dedicação, o seu melhor amigo se tornará um animal mais calmo e feliz.