Xixi fora do lugar

Uma das reclamações mais comuns sobre cães é o xixi fora do local correto. E principalmente agora que os peludos estão vivendo cada vez mais dentro de casa ou em apartamentos, fazer as necessidades em um lugar determinado é algo muito importante. Mas como ensinar nossos pets onde queremos que se aliviem?

Algumas dicas simples podem ajudar, porém, a persistência, a paciência e o carinho são fundamentais no processo. Ainda é muito comum dicas como esfregar o focinho do cão no xixi fora do lugar ou dar broncas, mas foi comprovado que isso não funciona. Muito pelo contrário, pode fazer com que o cão passe a se aliviar escondido do tutor, o que certamente dificultará seu aprendizado.

Primeiramente é preciso entender que filhotes passam a ter mais controle do xixi e do cocô a partir do quarto mês de vida, portanto, antes disso, erros são comuns e esperados. Sabendo deste fato, devemos levar o cãozinho ao banheiro dele sempre após acordar, comer ou brincar, já que são momentos em que ele costuma ficar apertado.  

O banheiro também não deve ficar perto do local onde ele come e bebe água, nem da caminha, pois a tendência é que ele procure um espaço mais afastado desses pontos para se aliviar.

Após definido o local é preciso levar o cão até lá sempre que notar que ele está com a intenção de fazer xixi, mas sem dar sustos nele. Quando ele acertar, faça festa e recompense-o. No início, devemos deixar vários banheiros espalhados pela casa e diminuir de forma gradativa, conforme ele evoluir no treinamento.

Limpar os locais onde ele faz errado também é importante, e os produtos enzimáticos ajudam a retirar completamente o cheiro do local. Com isso, o cão vai aprender que fazer o xixi no local certo é muito vantajoso, já que é onde fica o cheirinho dele e ele ainda é recompensado por isso.

Como ensinar o comando “Fica”

Alguns comandos podem ser essenciais para uma melhor convivência do pet com a sua família, porém, o comando “Fica” também é importante para a própria segurança física do cão. Infelizmente, são muito comuns os casos de fuga e/ou atropelamentos quando o tutor chega ou sai de casa. O momento de abrir a porta ou portão da residência é de maior risco para o pet. Por isso, ter o controle nesta ocasião é essencial.

O comando em si não é difícil de ensinar, mas precisamos que antes o animal aprenda o “Senta”. O ideal é sempre ensinar o cão através da indução do movimento desejado e depois recompensá-lo assim que ele realizar o movimento. No “Senta”, colocamos um petisco perto do seu focinho e fazemos um movimento com a mão para trás da cabeça do cão, assim, ele será obrigado a olhar para cima e para trás, fazendo com que naturalmente se sente para ficar mais fácil acompanhar o petisco.

Devemos sempre fazer movimentos calmos e devagar e recompensar o amigo assim que ele se sentar.

Para facilitar o aprendizado podemos utilizar uma ferramenta chamada Clicker, que nada mais é do que um marcador de acerto, que marca o momento exato em que o cão realizou o que lhe foi solicitado. Com isso, o pet entenderá de forma mais precisa qual foi o movimento que ele realizou que está sendo recompensado.

Para ensinar o “Fica” devemos estar em um ambiente tranquilo e sem distrações. Especialmente para os cães mais ansiosos e agitados, alguns limitadores podem ajudar no treino como um degrau ou mesmo um tapete para que o cão entenda melhor que se ele descer do degrau ou sair da textura do tapete ele perde o prêmio.

Primeiro devemos colocar o cão no sentado e recompensá-lo por isso, depois fazemos o movimento do “Fica” (a palma da mão virada na direção do cão), falamos a palavra FICA e damos apenas um passo para trás. Então, clicamos (com o Clicker), retornamos até o cão e lhe damos a recompensa. Quanto mais devagar você voltar e não falar com ele, mais fácil será para o amigo esperar o seu retorno. Devemos aumentar a distância devagar e de acordo com o aprendizado do pet.

Depois que o cachorro já está ficando sentado e você consegue se afastar alguns passos para trás é hora de começar a adicionar algumas dificuldades, já que no dia a dia muitas distrações podem ocorrer quando abrimos a porta de casa, por exemplo.

Devemos prestar atenção aos três “D´s”: duração, distância e distração. Não devemos aumentar mais de uma dificuldade por vez, correndo o risco de o cão começar a errar e se frustrar.

Mais importante do que qualquer coisa quando começamos a ensinar o “Fica” em portas e portões é a segurança do pet, por isso ele sempre deve estar preso a uma coleira e guia, que pode ser longa (de vários metros) e presa a um ponto fixo para simular que o cão está solto.

Boa sorte. Se precisar de ajuda, conte com um adestrador profissional.

Como enriquecer o ambiente para o gato

Os gatinhos têm ocupado um espaço cada vez maior em nossos lares. Por isso, é muito importante aprender a suprir as necessidades básicas dos bichanos.

Estamos bem mais acostumados a conviver com cães. Por conta disso, algumas pessoas podem pensar que para ter um gatinho em casa basta só disponibilizar água e alimento, que o animal vai ser feliz e equilibrado. Mas isso é um erro, os gatinhos precisam de estímulos, assim como os cães, senão podem se tornar sedentários e obesos ou estressados e reativos às pessoas.

Assim como com os cães, quanto antes introduzimos estímulos e enriquecimentos ambientais na vida de nossos gatinhos, melhor. Assim, eles aprendem a se desafiar e cada brinquedo se torna mais fácil de decifrar do que o anterior.

Mas o que seria um enriquecimento ambiental para um gato?

Gatinhos filhotes são extremamente curiosos e os brinquedos mais simples já chamam sua atenção. Brinquedos de varetas com fios na ponta, penas ou bolinhas são muito bons para gastar a energia infinita dos peludinhos e, de quebra, estimular seus instintos naturais de caça.

É importante observarmos algumas preferências de nossos gatos, por exemplo: eles preferem uma toca no chão ou no alto? Saber isso nos ajuda a escolher o melhor tipo de arranhador para cada tipo de bichano.

É essencial confirmarmos se o arranhador escolhido é seguro antes da compra. Ele precisa ser firme e resistente, já que os gatos adoram pular de um local para o outro e soltar o peso do corpo ao arranhar o brinquedo, então, ele tem que ser forte e pesado para não cair. Devemos estimular o gatinho a conhecer o novo brinquedo e logo esse será seu local favorito da casa.

Brinquedos simples, como bolas de meias, cones de dentro do papel higiênico ou papel toalha também pode virar um brinquedo estimulante.  É só dobrar as pontas para dentro, fazer alguns furinhos ao redor e colocar ração ou petisco dentro para que o gatinho bata para pegar a ração.

O importante é sempre variar as brincadeiras e manter a mente do seu bichano ativa e curiosa para que ele deixe a preguiça de lado e foque sua energia em exercícios saudáveis para uma mente equilibrada e um corpo saudável.