Ansiedade de separação

Por muitas vezes, a principal reclamação quando o adestrador é chamado é que o cãozinho está latindo muito quando fica sozinho ou que está destruindo os móveis da casa neste período. Mas o que muita gente não sabe é que esses podem ser os sinais da ansiedade de separação, que nada mais é do que o medo de ficar sozinho e não saber se os tutores irão voltar para a casa.

De nada adianta focarmos os treinos somente nos problemas apresentados, precisamos ensinar ao cão que não há mal algum em ficar sozinho e que logo iremos voltar. Como os cães são animais de grupo, ficar sozinho pode causar grande ansiedade, mas, ao contrário do que se pode pensar, nem sempre trazer mais um cão para a casa é a solução, uma vez que essa ansiedade de separação normalmente é por causa de um humano.

Portanto, antes de pensar em trazer outro cão para a família consulte um especialista e faça os treinos específicos para depois, caso seja indicado, trazer um novo amigo ao pet. A vinda do novo cão sem planejamento pode deixar seu peludo ainda mais ansioso.

Brinquedos interativos, aqueles em que podemos colocar ração e petiscos dentro, ajudam muito nos treinos. Eles ensinam o cão que brincar sozinho pode ser muito legal e recompensador, e ainda auxiliam a passar de forma mais produtiva o tempo em que ele ficará sozinho.

No mercado existem até produtos com possibilidade de programação de horários para ativar automaticamente as brincadeiras. Inclusive, estes brinquedos interativos podem começar e parar várias vezes ao dia, ajudando, assim, os tutores que precisam ficar longos períodos fora de casa.

Treinamento

Os treinos devem ser gradativos e simular situações reais de saída, o que ajudará muito na evolução dos casos. Ensinar o cão a brincar em um cômodo separado, mesmo quando estamos em casa, é uma boa pedida. Dessensibilizar os sinais da nossa saída, como colocar o sapato, pegar a bolsa e as chaves, mas não sair, também são atitudes importantes para que o cão fique menos ansioso no momento em que os tutores realmente precisam se ausentar.

Mas nem todo cão apresenta estes sinais, alguns podem apenas babar em excesso, raspar a porta, fazer as necessidades em local errado ou mesmo entrar em um estado de total apatia, sem beber ou comer enquanto os tutores estão fora de casa. Por isso, o diagnóstico correto de um profissional em comportamento e de um veterinário, para se certificar de que o problema não tem relação com alguma questão de saúde, é fundamental.

Cinco sinais de que seu cão te ama!

A cada dia os peludos fazem mais parte da nossa vida, são membros da nossa família e os amamos muito. Mas como sabermos quando eles demonstram seu amor por nós?

Como os cães não falam, podemos observar em seus atos e expressão corporal todo o amor que também sentem por nós.

  1. Abanar a cauda
    Nem todo abanar de cauda significa felicidade, mas quando ela faz um movimento amplo e relaxado, junto com uma postura corporal livre, orelhas também relaxadas, significa que estão muito felizes em te ver.
  1. Lambida
    Lamber os tutores, principalmente no rosto, é um sinal de carinho e de que eles te consideram um membro da família. Mas fique esperto, lambidas em excesso podem ser um sinal de ansiedade.
  1. Dormir perto de você
    Os cães são animais de matilha e gostam de viver em grupo, por isso, se ele gosta de dormir próximo de você, quer dizer que te considera como parte de sua matilha.
  1. Te olhar nos olhos
    Olhar diretamente nos seus olhos, com o corpo relaxado, significa que seu cão confia em você, já que isso pode ser uma ameaça entre animais desconhecidos.
  1. Ficar do seu lado em momentos difíceis
    Quando o seu cão percebe que você está triste ou passando por um momento difícil e fica do seu lado te apoiando, significa que ele percebe que você não está bem e precisa de conforto.

Perceber as formas com que seu cão demonstra amor por seus donos é fundamental para estreitar cada vez mais os laços que já existem entre eles.

Coprofagia: que bicho é esse?

A coprofagia é o ato que alguns animais têm de comer as próprias fezes ou a de
outros bichos. Apesar de ser uma atitude repulsiva aos seres humanos, é um hábito
comum e normal entre os canídeos e se explica até mesmo pela evolução do próprio
cão doméstico.

Muitas vezes, a ingestão de fezes humanas ou de outros animais como cavalos
ajudou o cão a suprir necessidades nutricionais durante a sua evolução e esse
comportamento pode permanecer mais vivo em alguns indivíduos. Como para nós
esse ato não é aceitável, é importante que possamos entender a motivação de cada
cão para que possamos eliminá-lo de seu comportamento.

Existem inúmeras razões para que cão coma as próprias fezes ou de outros animais, e
algumas são fisiológicas, como quando a mãe come as fezes dos filhotes jovens a fim
de manter o ninho limpo e evitar predadores. Caso deixemos o local dos filhotes sujo,
ela pode manter esse hábito durante todo o período de amamentação e assim ensinar os filhotes por imitação de que comer as fezes é normal.

Também existe a possibilidade de o pet estar com má nutrição ou verminose,
problemas que podem incentivá-lo a ter coprofagia, uma vez que o animal sente certa
falta de nutrientes e tenta encontra-los nas fezes.

Outra causa muito comum é quando o tutor briga com o cão por ele fazer as
necessidades no local errado e o cão entende que todas as vezes que ele defeca leva
bronca, então, acaba por comer as próprias fezes para evitar a punição. Também o
cão que apresenta ansiedade de separação, ou que fica muito tempo sozinho, pode se
sentir entediado e comer ou brincar com as fezes para se manter ocupado.

Como esse ato pode ter inúmeras causas, e muitas vezes mais de uma delas se aplica
a apenas um animal, é importante tentarmos descobrir qual que se encaixa ao seu
cãozinho para que o tratamento seja melhor direcionado.

Passo a passo
Primeiramente devemos levar o cão ao veterinário para investigarmos se ele não tem
algum problema digestivo, como deficiência de enzimas pancreáticas ou algum
problema de absorção intestinal.

Outra atitude importante é evitar as broncas e regular os horários de alimentação, já
que o cão tende a defecar após 30 minutos da alimentação, além de dividir sua
comida em, no mínimo, duas refeições.

Alguns produtos e alimentos podem deixar as fezes com gosto ruim, porém, só isso
não resolve o problema. O ideal é que após o animal defecar nós consigamos fazer
com que ele se distraia e saia de perto das fezes por livre vontade e só depois, sem
que ele veja, devemos limpar o local.

Portanto, descobrir a fonte do problema é primordial e irá nos guiar nas diversas
formas de tratamento. Devemos ter paciência e ser persistentes, principalmente
quando o animal já tiver esse hábito há bastante tempo.